terça-feira, 18 de agosto de 2009

Incêndios florestais no DF


"O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) divulgou nesta segunda-feira (17/8) um balanço do número de ocorrências de incêndio no DF desde abril até o domingo (16/8). Segundo o CBMDF foram contabilizados 1.539 focos nesse período, com 2milhões de metros quadrados queimados.
Só nesta quinta-feira, o CBMDF registrou 27 ocorrências de incêndios em matas, sendo que seis ainda estão em andamento. A área atingida foi de 67 hectares, o que equivale a 670 mil metros quadrados, fora os incêndios que ainda estão ocorrendo. Hoje, além do incêndio próximo a ponte JK, uma área de 35 hectares na Embrapa do Gama também foi queimada.
No sábado (15/8) e no domingo (16/8) foram registrados 89 focos de incêndio em matas. "A baixa umidade do ar, o vento dessa época e a temperatura contribuem para a proliferação dos focos", esclarece a capitão Shirlene Costa da coordenação de combate a incêndios.
A população também tem parcela de culpa nos incêndios. "Nós estamos sempre conscientizando a população para não jogarem pontas de cigarro acesas, não fazer limpeza de terrenos com queimadas e evitar fazer fogueiras ou rituais religiosos que utilizem o fogo", declara.
Em relação ao mesmo período do ano passado, o DF teve 121 casos a mais. "Acreditamos que o aumento do número de ocorrências esse ano foi devido ao clima atípico. Choveu até junho, em uma época em que deveria ser de seca e isso fez com que a vegetação crescesse mais e tivemos mais área para o fogo alastrar", afirma.
A corporação conta com 135 bombeiros diariamente para o combate ao fogo. Eles se revezam, sendo 75 durante o dia e 57 durante a noite. "Esse trabalho funciona de maneira voluntária, os bombeiros se inscrevem e são selecionados", afirma a capitão.
Prejuízos
Não é só a vegetação que sofre com as queimadas dessa época do ano. O prejuízo é também para a fauna. "Temos o assoreamento dos rios, o empobrecimento solo e danos aos animais das regiões afetadas", exemplifica.
Para a população, os prejuízos também são grandes. A fumaça pode causar ou piorar problemas respiratórios e também dificultar a visibilidade para os motoristas. "É importante que a população se conscientize também desses danos", afirma.
Ponte JK
O incêndio que atingiu as duas margens da Ponte JK atrapalhou o trânsito por causa da fumaça. De acordo com a capitão Shirlene Costa, 15 homens trabalharam no combate às chamas.
A fumaça pode ser vista de longe e chamou a atenção de quem passou pela Esplanada dos Ministérios. A pouca visibilidade atrapalhou os motoristas que passam pela ponte e deixa o trânsito lento principalmente no sentido Lago Sul - Plano Piloto.

Reportagem publicada no Correio Braziliense de 18/08/2009.
Foto:Marcello Casal Jr., Agência Brasil.

5 comentários:

Patricia Vilas Boas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patricia Vilas Boas disse...

Que cena mais horrosa!!! É realmente muito triste, ainda mais sabendo que muitas queimadas poderiam ser evitadas... Além disso, outra coisa que acontece também nessa época, devido à baixa umidade relativa do ar em Brasília, é a baixa qualidade do ar respirado pela população, que muitas vezes sofre com problemas respiratórios, junto com a fumaça gerada pelas queimadas a situação fica ainda pior...

Leila disse...

É verdade! Nesta época aqui em Brasilia a umidade relativa do ar é muito baixa. A população sofre com problemas respiratórios e os cuidados com a saúde precisam ser redobrados. Muita águae dentro do possível o ideal é que as pessoas não saiam de casa. Pelo menos é o recomendado pela OMS em situações mais extremas, que por aqui são comuns. Os incêndios são um agravante à qualidade de vida das pessoas e da biodiversidade!!

sam disse...

O credito da foto é da reportagem tambem?

Leila disse...

Olá Sam!
A foto é do Marcelo Casal - da Agência Brasil.