domingo, 2 de maio de 2010

Contrução ferrovia e terminal portuário na Bahia


Mais um caso de desrespeito ao meio ambiente. O motivo? Mais uma obra do Programa de Aceleracao do Crescimento (PAC), que está fase de licenciamentos: a Ferrovia Oeste-Leste. Planejada para ligar Figueirópolis, no Tocantins, a Ilhéus, no sul da Bahia, numa extensão de quase 1,5 mil quilômetros. A ferrovia será usada para transportar minério até Ilhéus. No trecho final da obra, a linha vai cruzar uma área de proteção ambiental e chegar até a região da Ponta da Tulha, a 20 quilômetros ao norte da cidade. Essa área de proteçào ambiental é um trecho de Mata Atlântica, das poucas que ainda existem no país.
A mineradora pretende construir um porto para exportar o ferro, num investimento de quase R$ 800 milhões.

Os riscos para o meio ambiente são altos e como a região é pobre a população está dividida.
A multinacional, formada por um grupo indiano e outro do Cazaquistão, já tem um relatório de impacto ambiental feito por empresa contratada, e é claro que todos os danos serão mitigados de acordo com relatório. Nesta fase do licenciamento ambiental aguarda-se o parecer do IBAMA!


Veja a matéria que foi veiculada no Fantástico do dia 25 de abril de 2010.

Fonte: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1579777-15605,00.html

Imagem da Ponta da Tulha - arquivo pessoal.

Um comentário:

Mariana Gomes Welter disse...

Não há como negar que o PAC virou um atestado de desrespeito ambiental. Para cumprir as metas do PAC tudo passou a ser possível, inclusive o desrespeito às normas, aos processos de licenciamento, ao nosso patrimônio ambiental.