terça-feira, 25 de maio de 2010

PLANTAÇÃO DE MACONHA X MEIO AMBIENTE

Na cidade de Boulder, no estado do Colorado (EUA) os plantadores de maconha para fins medicinais devem usar fontes limpas de energia para cultivar a planta. Por questões de segurança e controle de qualidade, boa parte deles faz suas plantações em estufas que exigem lâmpadas de alta potência, ventiladores e outros equipamentos. A conta de eletricidade do setor chega a ser três vezes superior à média de outros negócios. Por esse motivo, agora, quem quiser vender maconha medicinal na cidade, terá que comprar energia eólica, instalar um painel solar no local ou fazer a compensação das emissões de gases de efeito estufa comprando créditos de carbono. A lei é clara: se a energia não for 100% limpa, o produtor perderá sua licença de cultivo e comercialização. A novidade encontrou resistência entre os cultivadores da planta, que não consideram justo o tratamento diferenciado dado ao setor e alegam que alguns produtores de marijuana podem não ter condições financeiras para se adequar às exigências.
Fonte: http://super.abril.com.br/blogs/planeta/

O que vocês acham dessa lei?
Acho interessante a postagem não só pelos fins ambientais que ela traz, mas por estarmos vivendo um momento em que o país discute a descriminalização do uso da droga.

Um comentário:

Mariana Gomes Welter disse...

Eu achei uma política muito interessante! E que pode ser aplicada em diversas outras atividades econômicas. Só acho que não seria certo exigir todas essas contra partidas de quem planta maconha e não exigir, por exemplo, de outras atividades que também gastam muita energia elétrica. Mas achei muito bom mesmo!