domingo, 30 de maio de 2010

Pessimismo

Sei que este texto é um tanto quanto pessimista para um começo de semana, mas acho a reflexão válida.
O autor é o jornalista Vilmar Berna, do Portal do Meio Ambiente

Os ambientalistas gostam mesmo das plantas e dos bichos e, entre a natureza e as pessoas, escolhem a natureza! Sabem criar problemas mas não apontam soluções! Decididamente, não gostam do progresso!

As ONGs que dizem defender o meio ambiente, na verdade, estão a serviço de interesses internacionais de países e organizações que já destruíram todo o seu meio ambiente, e agora querem preservar esse meio ambiente no quintal alheio, uma forma pouco honesta de congelar o desenvolvimento!

Os empresários mentem quando dizem que se preocupam com o meio ambiente, porque na verdade, estão preocupados e comprometidos com seus lucros e usam o meio ambiente para enriquecerem mais e mais!

Os publicitários não tem ética, pois desde que o cliente pague, tanto faz se o anunciante cuida ou não do meio ambiente!

Jornalistas só gostam de notícia ambiental ruim, quando explode ou vaza alguma coisa! Notícia ambiental boa só interessa aos publicitários e marketeiros ambientais.

Os políticos são corruptos e usam a política para fazer negócios e não com o interesse no bem comum! Para eles, o meio ambiente é apenas um meio para conseguir votos, cargos e um dinheirinho qualquer!

Os cidadãos se preocupam com o meio ambiente apenas da boca para fora, esperam que o mundo mais ecológico comece no outro, e estão interessados mesmo em seus direitos e não em seus deveres!

Com tantos preconceitos de parte a parte atrapalhando as relações, não é de se estranhar que ainda exista tanta dificuldade no diálogo entre diferentes, e as pessoas e organizações temam tanto sair de suas 'zonas de conforto' onde contentam-se em falar para os próprios umbigos.

Aproveito para deixar a indagação: e os advogados que atuam nessa área, se preocupam com o meio ambiente?

quinta-feira, 27 de maio de 2010

MENINAS DO DEDO VERDE = ECOMENINAS

Queridos leitores,

Quem tiver a oportunidade de comprar a revista Bons Fluídos do mês de junho, que já está à venda nas bancas e papelarias de todo país, vai encontrar na última página, na seção "Minha História", uma matéria intitulada "Meninas do Dedo Verde". Não por acaso, essas meninas, na verdade, somos nós, as ECOMENINAS! Escrevi o texto com base na história do nosso grupo e da construção do nosso blogue. E foi escolhido o mês de junho para publicação, pois neste mês se comemora o dia mundial do meio ambiente (05/06).

Esperamos que gostem!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Green Drinks - 01 de Junho!




Se você quer ampliar seu networking, conversar sobre temas relevantes para o mundo e ainda se divertir, venha participar do Green Drinks de Belo Horizonte!

O movimento GREENDRINKS.org é um Happy Hour que acontece mensalmente em várias partes do mundo desde. Atualmente envolve 642 cidades e 60 países!

Seu objetivo é criar um espaço informal de troca, envolvimento, geração de iniciativas e diálogo para juntar, mobilizar e conectar as pessoas pela construção de uma sociedade sustentável e justa.

No dia 01 de Junho (terça-feira), teremos uma conversa sobre “Responsabilidade Social e a dificuldade que o terceiro setor tem de captar recursos por falta de informação e formação”. Nossa convidada especial será a Hosana Cabral Santi. Graduada em Gestão em Marketing pela UNA e pós graduada em Relações Comerciais pela PUC Minas, possui vasta experiência em Marketing e na gerência comercial, participa de projetos sociais na Arquidiocese de Belo Horizonte como voluntária desde 2001, integra o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente/BH e atualmente é gerente de Marketing e Leis de Incentivo do Hospital da Baleia.

Venha, participe, aprenda, compartilhe e se divirta! Responsabilidade Social também é Sustentabilidade!!! Esperamos por você!

Anote na sua agenda:

Quando: Terça - Feira, 01 Junho de 2010

Horário: 19 horas

Onde: Restaurante Rima dos Sabores (Rua Esmeraldas, 522, Prado)

Quem: Todos aqueles que acreditam e que se interessam pela temática que envolve a sustentabilidade (ONG, consultorias, associações, empreendedores sociais, estudantes, empresas...)

Regras do jogo: Convidar amigos que tenham interesse pelo assunto!

Mais informações: Entre em contato com o Núcleo de Sustentabilidade pelo telefone: 31 3290-8910 ou acesse: http://www.greendrinks.org/ e http://www.greendrinksbh.ning.com/

terça-feira, 25 de maio de 2010

PLANTAÇÃO DE MACONHA X MEIO AMBIENTE

Na cidade de Boulder, no estado do Colorado (EUA) os plantadores de maconha para fins medicinais devem usar fontes limpas de energia para cultivar a planta. Por questões de segurança e controle de qualidade, boa parte deles faz suas plantações em estufas que exigem lâmpadas de alta potência, ventiladores e outros equipamentos. A conta de eletricidade do setor chega a ser três vezes superior à média de outros negócios. Por esse motivo, agora, quem quiser vender maconha medicinal na cidade, terá que comprar energia eólica, instalar um painel solar no local ou fazer a compensação das emissões de gases de efeito estufa comprando créditos de carbono. A lei é clara: se a energia não for 100% limpa, o produtor perderá sua licença de cultivo e comercialização. A novidade encontrou resistência entre os cultivadores da planta, que não consideram justo o tratamento diferenciado dado ao setor e alegam que alguns produtores de marijuana podem não ter condições financeiras para se adequar às exigências.
Fonte: http://super.abril.com.br/blogs/planeta/

O que vocês acham dessa lei?
Acho interessante a postagem não só pelos fins ambientais que ela traz, mas por estarmos vivendo um momento em que o país discute a descriminalização do uso da droga.

domingo, 23 de maio de 2010

Boa semana!!!!



Ilustração de Kathy Jeffords

MAPA DA INJUSTIÇA AMBIENTAL NO BRASIL

Uma parceria entre a Fiocruz e a Fase, com o apoio do Departamento de Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde, disponibiliza ao público um mapa de conflitos socioambietais do Brasil. A iniciativa busca sistematizar e socializar informações disponíveis, viabilizando denúncias apresentadas pelas comunidades e organizações parceiras. Os casos registrados foram selecionados a partir de sua relevância socioambiental e sanitária, seriedade e consistência das informações apresentadas. O seu objetivo é, a partir de um mapeamento inicial, apoiar a luta de inúmeras populações e grupos atingidos em seus territórios por projetos e políticas baseadas numa visão de desenvolvimento considerada insustentável e prejudicial à saúde de tais populações, bem como movimentos sociais e ambientalistas parceiros. O foco do mapeamento é a visão das populações atingidas, suas demandas, estratégias de resistência e propostas de encaminhamento.
O mapa apresenta cerca de 300 casos distribuídos por todo o país e georreferenciados

DIA 22 DE MAIO - DIA DA BIODIVERSIDADE




Ontem o mundo celebrou o Dia Internacional da Biodiversidade proclamado pelas Nações Unidas em 1993.
A Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) é o mais importante acordo internacional sobre diversidade biológica. A CDB tem como pilares a conservação da diversidade biológica, a utilização sustentável de seus componentes e a repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados do uso dos recursos genéticos. Especialistas estimam o valor econômico global da biodiversidade como nada menos que US$ 33 trilhões ao ano.
Em 2002 governos de todo o mundo comprometeram-se a reduzir consideravelmente o índice de perda da biodiversidade até 2010, o Ano Internacional da Biodiversidade. Mas não é o cenário que vemos aqui no Brasil.
Estudos recentes, inclusive o Panorama Global da Biodiversidade 3 (Global Biodiversity Outlook 3, relatório preparado pela CDB), mostram que a continuidade da perda maciça da biodiversidade é uma probabilidade cada vez maior.

Fonte: Todas as informações foram retiradas de vários textos disponíveis no site WWF

Brasil perde $$$ por não reciclar

Estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estipula que o Brasil perde cerca de R$ 8 bilhões por ano, por não reciclar tantos resíduos quanto possível. O estudo calcula os impactos econômicos e ambientais da reciclagem e propõe mecanismos de incentivo para a reciclagem. No país, apenas 12% dos resíduos sólidos urbanos e industriais são reciclados e apenas 14% da população é atendida pela coleta seletiva.
A partir deste trabalho, foi criado um grupo para reestruturar a atuação do governo na área. “Queremos consolidar uma nova política pública em torno da remuneração adequada para os catadores, da retirada do lixo do meio ambiente e de um resultado econômico não só para as indústrias que reciclam, mas para as cooperativas de catadores, com facilidade de crédito e novo perfil de renda”, diz a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Fonte: http://www.ipea.gov.br

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Valdinei Calvento: artista engajado!













E aí, gostaram? Estas ilustrações sensacionais são do Valdinei Calvento (Cabelo). Descobri o trabalho dele através de uma reportagem da revista Bons Fluídos e me encantei! O Cabelo se descreve como: Gente boa, tranquilão, bom pai, bom marido, anda de bicicleta (e acredita nela), curte desenhar, plantar umas sementinhas, acredita em algumas pessoas, luta por elas, e sempre que possível, corre de São Paulo. Ele é gente como a gente, inclusive o nome do blog dele é "Igual você", ele é igual mas diferente... Faz um trabalho maravilhoso através das suas ilustrações!!! Um desenho dele vale muito mais do que um milhão de palavras... É educação ambiental pura! Indico o blog para todos que tenham algum interesse pela causa ambiental ou por questões de mobilidade urbana, bike, desenhos, charges, tirinhas, atitude pró-ativa e várias outras coisas (http://igualvoce.wordpress.com/).

Um excelente dia pra vocês!

Onde a Água encontra a Terra


O Centro de Arte Contemporânea e Fotografia da Fundação Clóvis Salgado tem o prazer de receber a exposição Onde a Água encontra a Terra. A mostra levará o público a pensar e discutir as relações entre dois elementos da natureza – água e terra - passando por questões fundamentais da teoria da Cultura. Com curadoria de Paulo Herkenhoff, as imagens registradas pela americana Carol Armstrong e pelos brasileiros Fernando Azevedo e Leonardo Kossoy propõem uma nova perspectiva para a abordagem da fotografia.

As 53 obras estabelecem nexos da presença da água na fronteira com a terra, marcantes na produção de cada um deles. Rio, mar, oceano, chuva, piscina ou poça. Praia, muro, ilha, ponte, represa, piscina ou calçada. Em "Onde a Água Encontra a Terra" dá sentido a cada imagem e ao conjunto delas, passando pela filosofia, pela literatura e pela história da arte.

Evento: Onde a Água encontra a Terra
Data: 08 de maio a 27 de junho - 2010
Local: Centro de Arte Contemporânea e Fotografia - Av. Afonso Pena, 737, Centro, BH/ MG
Horário: terça a domingo: 12h às 19h / quinta-feira: 12h às 21h
Valor: Entrada franca
Informações: 31 – 3236-7400


Fotos: Carol Armstrong, Leonardo Kossoy e Fernando Azevedo

domingo, 16 de maio de 2010

Livros didáticos feitos a partir de plástico reciclado

Adorei esta notícia, tecnologia utilizada a favor do meio ambiente!

A Vitopel, terceira maior produtora de filmes flexíveis, que detém a tecnologia mundial para produzir papel sintético a partir de plásticos reciclados, vai fornecer 170 toneladas desse material, que tem o nome comercial de Vitopaper, para a impressão de 261 mil livros didáticos da Fundação Paula Souza. Os livros serão disponibilizados para as escolas técnicas e FATECs do Estado de São Paulo. O material, feito a partir de plásticos reciclados do pós-consumo, como embalagens plásticas, rótulos e sacolas plásticas é o primeiro produto, no mundo, com esta tecnologia de usar como matéria prima lixo plástico reciclado. Segundo o presidente da Vitopel José Ricardo Roriz Coelho, o diferencial deste produto é que sua tecnologia permite a reutilização de diferentes tipos de plásticos que seriam destinados ao lixo. "Para cada tonelada de Vitopaper produzido, retiramos das ruas e lixões cerca de 850 quilos de resíduos plásticos", conclui o executivo.

Os livros sintéticos são mais resistentes, economizam em 20% o uso de tinta de impressão e permitem a escrita de caneta esferográfica, porosa e grafite. o Vitopaper não molha, não rasga e pode ser reciclado inúmeras vezes. Quando, por exemplo, os livros que serão produzidos pela Fundação estiverem com o conteúdo defasado, poderão ser reciclados novamente para produzir novos livros.

Imagem: http://www.sacolinhasplasticas.blogspot.com - Fonte: http://www.investimentosenoticias.com.br


sexta-feira, 14 de maio de 2010

É a xepa da feira???

 


Queridos leitores,

parece que, depois que o Ministério de Meio Ambiente foi deixado pelo Minc, a sua substituta, a atual Ministra Izabella Teixeira, resolveu abrir completamente a guarda.

Tem gente comentando que ela é "como uma espécie de feirante, que, no apagar das luzes, negocia o meio ambiente em troca da sua manutenção no cargo". O que eu considero uma acusação seríssima!
Segue abaixo um artigo da jornalista Renata Camargo, sobre a última negociação feita pela Ministra, para deixar cada vez mais flexível a utilização das áreas de unidades de conservação.
Nos moldes que o governo buscava há tempos, a nova chefe da pasta verde assinou sem qualquer objeção um decreto que abre brechas sem precedentes para a construção de hidrelétricas.
Se o presidente Lula realmente pudesse falar tudo o que pensa publicamente, ele certamente parafrasearia às avessas o diretor de campanhas do Greenpeace, Sérgio Leitão. O ambientalista disse que “nunca na história desse país se viu um ministro do Meio Ambiente valer tão pouco”. Lula faria um trocadilho e diria que “nunca na história desse país se viu um ministro do Meio Ambiente valer tanto $$$$”.

A crítica do ambientalista à ministra Izabella Teixeira e os supostos elogios de Lula se dariam pelo mesmo motivo: a edição de um decreto de “desproteção” ambiental. Nos moldes que o governo buscava há tempos, a nova chefe da pasta verde assinou no início de abril, sem qualquer objeção, um decreto que abre brechas sem precedentes para a construção de hidrelétricas em unidades de conservação. A proposta, no mínimo estapafúrdia, irritou ambientalistas, que querem agora declarar vago o cargo da ministra do Meio Ambiente.

O decreto, considerado um “absurdo” ambiental, fui publicado no calor do debate sobre a construção da polêmica usina hidrelétrica de Belo Monte e, estrategicamente, passou quase que despercebido pela mídia e pela opinião pública. A norma – cujo teor já havia sido barrado pela ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva – foi editada sem qualquer publicidade e, ao que tudo indica, vem sob encomenda, para viabilizar legalmente algum(s) empreendimento(s) do setor de energia elétrica.

De nº 7.154 e editado em 9 de abril de 2010, o decreto estabelece procedimentos para “autorizar e realizar estudos de aproveitamentos de potenciais de energia hidráulica e sistemas de transmissão e distribuição de energia elétrica no interior de unidades de conservação” e abre a possibilidade de “autorizar a instalação de sistemas de transmissão e distribuição de energia elétrica em unidades de conservação de uso sustentável”. Na prática, a proposta cria a base jurídica para permitir a instalação de empreendimentos de energia, até mesmo, em unidades de conservação de proteção integral.

Unidades de conservação, segundo a lei que as define, a Lei do SNUC (nº 9.985/00), são áreas criadas justamente com objetivo de conservação, ou seja, um espaço territorial delimitado para fins de preservação, de utilização sustentável, de manejo de uso humano. Nessas unidades, todo e qualquer procedimento deve assegurar a conservação da biodiversidade e dos ecossistemas. São perímetros reservados para garantir a preservação de espécies da fauna e da flora e a manutenção de recursos naturais.

Mas, enquanto a Lei do SNUC estabelece que essas áreas devem ser protegidas, o governo edita um decreto que abre caminho para que esses mesmos espaços sejam degradados. O que mostra a concepção anacrônica do governo em termos de desenvolvimento. Um tipo de decisão que remete a políticas adotadas pelo país nos tempos de ditadura. Como avalia Sérgio Leitão, “com esse decreto, o governo diz que conservação não tem valor nenhum e o que vale mesmo é fazer obra a qualquer custo e a qualquer preço”.

“O mais grave é que agora a gente tem uma ministra do Meio Ambiente que se comporta como uma espécie de feirante, que, no apagar das luzes, negocia o meio ambiente em troca da sua manutenção no cargo. Quando está no fim de feira, você dá qualquer trocado e leva. É fim de feira, é a xepa. Uma ministra que simplesmente não defende o meio ambiente, é melhor declarar vago o cargo e perguntar onde está o ministro”, alfineta Sérgio Leitão. Izabella Teixeira assinou o decreto junto com o presidente Lula, o ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, e o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

Polêmicas políticas à parte, o fato é que o decreto parece "inovar" sem autorização legal. Enquanto a Lei do SNUC, que rege as unidades de conservação, determina a proteção dessas áreas, o decreto – que é uma norma hierarquicamente inferior – abre precedentes para possibilitar a destruição desses espaços. O decreto não fala, por exemplo, na necessidade de se considerar os planos de manejo de cada área. Em contrapartida, torna passível de impacto qualquer tipo de unidade de conservação.

"Por decreto, o governo abre essas mesmas unidades que são para conservação para um tipo de exploração econômica que não é permitido. Quando você faz a instação de um barragem para fins de energia, isso pode ser privadamente. Os lucros são obtidos por meio de concessões que o Estado dá para uma empresa privada. Na prática, o governo está falando que a Constituição não serve em relação às unidades de conservação e que eles vão fazer e acontecer", defende Leitão.

A norma realmente parece ignorar dispositivos constitucionais. Entre outros, a proposta indica ferir o princípio da precaução. Não se sabe os riscos a que serão submetidas àquelas áreas e as pessoas que nelas estiverem. E como coloca Cristiane Derani, em seu livro Direito Ambiental Econômico, “(...) não se partiria de uma potencialidade de dano, pura e simplesmente, mas se traria à discussão a própria razão da atividade em pauta: a necessidade, o objetivo do que se pretende empreender”.

Certamente a distância entre o que está escrito na legislação e o cumprimento das normas no Brasil nos leva a repensar se as unidades de conservação estão mesmo servindo para preservar o meio ambiente, já que muitas delas estão desqualificadas. Mas, ainda que algumas normas ambientais precisem ser reestruturadas ou efetivamente cumpridas, o próprio governo transformar em letra morta normas vigentes é algo preocupante. Isso nos leva a questionar em que direção estamos indo. Que país do futuro é esse que o poder público está disposto a construir? É difícil acreditar que mesmo diante de tantos indícios, indicando a urgência de se buscar um desenvolvimento menos predador, o governo ainda trabalhe com a hipótese de que meio ambiente é apenas um acessório.

Renta Camargo é formada em Jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), Renata Camargo é especialista em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável pelo CDS/UnB. Já atuou como repórter nos jornais Correio Braziliense, CorreioWeb e Jornal do Brasil e como assessora de imprensa na Universidade de Brasília e Embaixada da Venezuela. Trabalha no Congresso em Foco desde 2008.

Festival Eletronika


O FESTIVAL

O Eletronika está sintonizado com as novas tendências da música e incorpora tudo de bom que surge com ela: diversão, arte, comportamento.

Por isto, esta edição – Cidade Eletronika – dialoga com a arquitetura, o design, o urbanismo, a ecologia.

Pesquisa novas e melhores maneiras de se relacionar com o meio ambiente, reciclar, recriar, agir, interagir.

O Cidade Eletronika acontece num espaço aberto, coletivo: vamos transformar a rua num espaço de interação, celebração urbana, shows, oficinas, mostras, palestras, lançamentos de livros e um picnic urbano.

Entre. A casa é sua.

Outro Curso do CMRR: Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde


quinta-feira, 13 de maio de 2010

Wise Earth - agora em português!


O Wise Earth é um site de relacionamento, similar ao orkut, facebook, só que diferente... Ele tem um fim social e busca a sustentabilidade através das relações entre as pessoas. Eu me inscrevi há algum tempo atrás e confesso que parei de mexer... Mas vale a pena dar uma olhada, pois têm redes muito interessantes, que podem ser muito úteis. E, de acordo com email que recebi, há uma versão em português, para facilitar o acesso dos interessados.
O link em português é: http://pt.wiserearth.org/

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Ahn?Empresa de lingerie japonesa transforma sutiã em horta


Uma famosa empresa de lingerie criou um sutiã que traz dois pequenos vasos com terra e grãos de arroz no lugar do tecido que cobre os seios. Batizado de “Floresça seu próprio arroz”, o acessório foi confeccionado pela Triumph Japan para conscientizar suas consumidoras sobre a importância da agricultura.

“No ano passado, muitas mulheres mostraram interesse por agricultura. Agora queremos que outras japonesas passem a cultivar grãos”, disse Yoshiko Masuda, representante da empresa, em encontro com jornalistas na manhã desta quarta-feira (12).

O inusitado kit ainda vem com um par de luvas para que as mulheres não prejudiquem suas mãos ao mexer com a terra.

Coisa estranha!!

Fonte: G1

Protocolo de Intenções para viabilizar o Registro Público de Gases de Efeito Estufa

Caros Leitores, o Marcus Vinícius Neves, nosso amigo advogado e grande colaborador do blog, nos enviou uma notícia muito importante que merece ser divulgada aqui, é sobre o Protocolo de Intenções assinado pela FIEMG e SEMAD para viabilizar o Registro Público de Gases de Efeito Estufa.
A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) assinaram na sexta-feira (07/05/10) um protocolo de intenções para ratificar o trabalho conjunto entre o Governo de Minas e a iniciativa privada no desenvolvimento de políticas para diminuição da emissão de gases que provocam o efeito estufa. O evento contou também com a apresentação da plataforma online do Registro Público de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), elaborado pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam).

As iniciativas fazem parte do Programa Estadual de Redução de Gases de Efeito Estufa e serão a base para a elaboração de inventários voluntários de emissões dos empreendimentos em Minas Gerais. O registro e os inventários incorporam padrões de qualidade internacional para declaração de emissões como a redução da intensidade energética e o reconhecimento de ações voluntárias para redução das emissões de GEE.

O secretário de meio ambiente do estado, José Carlos Carvalho, destacou a importância da participação da iniciativa privada, apoiada pela Fiemg e adiantou durante seu discurso que a plataforma, mesmo ainda em fase de testes preliminares, já despertou o interesse de Paraná, São Paulo e Santa Catarina, que demonstraram interesse na adoção do modelo.

Registro Público Disponível por meio de plataforma online, elaborada pela Feam, em parceria com a Universidade Federal de Lavras, e baseada na metodologia internacionalmente aceita Greenhouse Gas Protocol (GHG Protocol) desenvolvida pelo World Resources Institute (WRI) e pelo World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), o registro configura uma iniciativa inédita no Brasil.

A adesão das empresas tem como contrapartida o direito de uso de um selo que atesta a participação no programa, além de compensações no caso da redução comprovada da missão de GEE, tais como a redução de custo nas analises de renovação de licenças ambientais e a citação na lista anual dos “Empreendimentos com Comprovada Redução de Intensidade de Emissões de GEE”.

A plataforma pode ser acessada no endereço http://registrogee.meioambiente.mg.gov.br:8080/mbga/.

Fonte da notícia: site AMDA (http://www.amda.org.br/)

Fonte da foto: www.ambienteonline.pt

SUSTENTAR!!

Chamada para Trabalhos - Colóquio Ibero-Americano de Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto


Gente, pra quem quiser enviar artigos ainda dá tempo!!!

Aberta 2ª Chamada de Trabalhos
Atendendo a solicitações de pesquisadores de outros países da América Latina, a Comissão de Organização abriu uma 2ª chamada de trabalhos até o próximo dia 15 de maio.

Novo Calendário
Envio de Resumos: até 15 de maio de 2010.
Informe da Seleção de Resumos: 30 de maio de 2010
Envio dos Trabalhos Completos para publicação: até 10 de julho de 2010
Abertura do Evento: 09 de agosto de 2010
O Comitê Científico do Colóquio fará uma seleção de trabalhos a partir de propostas de comunicações com a seguinte organização e conteúdo:
· Nome completo do(s) autor(es) e endereço, incluindo número de telefone, fax e e-mail;
· Currículo resumido, incluindo qualificação profissional e afiliação institucional;
· Título do trabalho;
· Tema em que se inscreve (conforme temário);
· Resumo da comunicação (máximo de 500 palavras).
As propostas de comunicações deverão ser encaminhadas até o dia 15 de maio de 2010 para o e-mail forumpatrimonio@yahoo.com.br

terça-feira, 11 de maio de 2010

USO DE PLANTAS MEDICINAIS REGULAMENTADO PELA ANVISA

Os benefícios das plantas para a saúde passam de geração em geração. Quase todo mundo já ouviu falar de alguma planta, folha, casca, raiz ou flor que ajuda a aliviar os sintomas de um resfriado ou mal-estar. Unindo ciência e tradição, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer popularizar esse conhecimento, esclarecendo quando e como as drogas vegetais devem ser usadas para se alcançar efeitos benéficos. A medida faz parte da Resolução RDC 10.

Inaladas, ingeridas, usadas em gargarejos ou em banhos de assento, as drogas vegetais têm formas específicas de uso e a ação terapêutica é totalmente influenciada pela forma de preparo. Algumas possuem substâncias que se degradam em altas temperaturas e por isso devem ser maceradas. Já as cascas, raízes, caules, sementes e alguns tipos de folhas devem ser preparados em água quente. Frutos, flores e grande parte das folhas devem ser preparadas por meio de infusão, caso em que se joga água fervente sobre o produto, tampando e aguardando um tempo determinado para a ingestão.

Confira aqui a forma correta de preparo em cada caso!

Outra novidade da resolução diz respeito à segurança: a partir de agora as empresas vão precisar informar à Agência sobre a fabricação, importação e comercialização dessas drogas vegetais no mínimo de cinco em cinco anos. Os produtos também vão passar por testes que garantam que eles estão livres de microrganismos como bactérias e sujidades, além da qualidade e da identidade. Além disso, os locais de produção deverão cumprir as Boas Práticas de Fabricação, para evitar que ocorra, por exemplo, contaminação durante o processo que vai da coleta, na natureza, até a embalagem para venda. As embalagens dos produtos deverão conter, dentre outras informações, o nome, CNPJ e endereço do fabricante, número do lote, datas de fabricação e validade, alegações terapêuticas comprovadas com base no uso tradicional, precauções e contra indicações de uso, além de advertências específicas para cada caso.

A ANVISA faz um alerta: As drogas vegetais não podem ser confundidas com os medicamentos fitoterápicos. Ambos são obtidos de plantas medicinais, porém elaborados de forma diferenciada. Enquanto as drogas vegetais são constituídas da planta seca, inteira ou rasurada (partida em pedaços menores) utilizadas na preparação dos populares “chás”, os medicamentos fitoterápicos são produtos tecnicamente mais elaborados, apresentados na forma final de uso (comprimidos, cápsulas e xaropes).

Fonte: anvisa

domingo, 9 de maio de 2010

Óculos ecológicos

A Shwood é uma marca de óculos ecologicamente correta, pois utiliza sobras de madeira como matéria prima na criação de óculos de sol. São vários modelos, com vários tipos e cores de lentes. Eles contam inclusive com lentes polarizadas, que são famosas entre os fotógrafos por eliminarem qualquer tipo de reflexo de sua visão. Os óculos custam em média 100 dólares, e eles fazem entregas em vários países, incluindo o Brasil. Será que podemos confiar que os óculos são produzidos apenas com as sobras de madeira?


Desabrigados

A ONG britânica Born Free lançou uma campanha muito tocante em prol dos animais, focada em ameaças como: a caça, o desmatamento e a expansão humana, a utilização dos animais para o entretenimento humano.

A imagem reflete a perda do habitat natural pelos animais selvagens, que precisam tomar decisões desesperadas pela sobrevivência, já que seus lares na natureza vão sendo ocupados pelo homem.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Workshop: Mudança Climática e Inventário de Emissões de GEE


Concurso de Foto e Vídeo: Olhares Sobre a Água e o Clima







Uma imagem vale por mil palavras, mil símbolos, mil sentidos.

O 1º Concurso de Foto e Vídeo Olhares sobre a Água e o Clima, promovido pelo WWF-Brasil, Agência Nacional de Águas (ANA) e o grupo HSBC, tem como objetivo primordial retratar os temas em suas mais diversas manifestações (sociais, culturais, simbólicas, econômicas, artísticas e religiosas).

A ideia é mostrar os outros sentidos e olhares sobre estes elementos da natureza, para além dos conceitos cotidianos e concretos.

As imagens poderão mostrar a água em sua relação com o clima e em diversas formas, preservadas ou degradadas, suas características, simbolismos e usos, nos mais amplos aspectos.

Pensar na relação do homem com os elementos da natureza, por intermédio de registros fotográficos e audiovisuais, é a forma que os organizadores escolheram para contribuir para a Década da Água, que vai de 2005 a 2015, estabelecida pelas Nações Unidas e acatada pelo governo brasileiro. E você também pode contribuir.

Para saber mais, acesse: http://www.olharesaguaeclima.org.br/

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Green Drinks Hoje!!!


Olá Pessoal,

Nesta terça-feira (hoje), teremos uma conversa sobre “Educação como um gesto de sustentabilidade”.

Nosso convidado especial será o Professor do Instituto Politécnico da UNA, Diego Luiz Nunes, Engenheiro Químico, Doutorando em Ciências de Alimentos pela UFMG e Diretor Regional da União dos Escoteiros do Brasil – MG.

Venha, participe, aprenda, compartilhe e se divirta!

Esperamos por você!

Anote na sua agenda:

Quando: Terça - Feira, 04 de Maio de 2010.
Horário: 19 horas
Onde: Restaurante Rima dos Sabores (Rua Esmeraldas, 522, Prado)
Quem: Todos aqueles que acreditam e que se interessam pela temática que envolve a sustentabilidade (ONG, consultorias, associações, empreendedores sociais, estudantes, empresas...)

Regras do jogo: Convidar amigos que tenham interesse pelo assunto!

Mais informações: Entre em contato com o Núcleo de Sustentabilidade pelo telefone 31 3290-8910.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Imagem (triste) do dia

Onde descartar lixo eletrônico em Belo Horizonte?!


Postos de coleta ciclo sustentável Phillips:

-Servicenter Eletrônica Av. do Contorno, 4 168 - São Lucas - BH 31 - 3212 3636 / 3225 47006

Outros Postos de Entrega de resíduos eletroeletrônicos em BH:

- Comitê para Democratização da Informática - 31 - 3373 2150

-Centro de Recondicionamento de Computadores de Belo Horizonte 31 - 3277 6064

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Quem é responsável pelo lixo?


A Política Nacional de Resíduos Sólidos, (Projeto de Lei 203/91 aprovado em 10/03/2010 pelo plenário da Câmara dos Deputados) que que deve ser sancionada pelo presidente Lula em 5 junho, Dia do Meio Ambiente, depois de 19 anos de discussões no Congresso, prevê uma nova resposta sobre a responsabilidade da destinação do lixo, que hoje pesa exclusivamente sobre os municípios.


De acordo com a PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), os envolvidos na cadeia de comercialização de um produto (desde a indústria até as lojas) terão que chegar a um consenso sobre as atribuições de cada parte. As empresas terão até o final de 2011 para apresentarem propostas de acordo, sendo que quem perder o prazo pode ficar sujeito à regulamentação federal.


Foi criado, então, um novo conceito de responsabilidade compartilhada em relação à destinação de resíduos. Isso significa que cada integrante da cadeia produtiva – fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e até os consumidores – ficarão responsáveis, junto com os titulares dos serviços de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, pelo ciclo de vida completo dos produtos, que vai desde a obtenção de matérias-primas e insumos, passando pelo processo produtivo, pelo consumo até a disposição final.


A lei obriga também a estruturação e a implementação de sistemas de logística reversa para agrotóxicos, seus resíduos e embalagens, assim como outros produtos cuja embalagem, após o uso, sejam considerados resíduos perigosos. A adoção de medidas, para que os resíduos de um produto colocado no mercado façam um “caminho de volta” após sua utilização, também deve ser aplicada a pilhas e baterias, pneus, óleos lubrificantes, lâmpadas fluorescentes de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista, além de produtos eletroeletrônicos e seus componentes.


Além disso, a PNRS visa aumentar o percentual de reciclagem do lixo que hoje é de apenas 12% das 170 mil toneladas de lixo produzidas diariamente. O objetivo da PNRS é elevar esse índice a 25% até 2015.


domingo, 2 de maio de 2010

Boa semana!


Que as notícias tristes nos tragam mais força e vitalidade para lutar em defesa da natureza.
Para alegrar uma ilustração da artista Jennifer Judd McGee.

Contrução ferrovia e terminal portuário na Bahia


Mais um caso de desrespeito ao meio ambiente. O motivo? Mais uma obra do Programa de Aceleracao do Crescimento (PAC), que está fase de licenciamentos: a Ferrovia Oeste-Leste. Planejada para ligar Figueirópolis, no Tocantins, a Ilhéus, no sul da Bahia, numa extensão de quase 1,5 mil quilômetros. A ferrovia será usada para transportar minério até Ilhéus. No trecho final da obra, a linha vai cruzar uma área de proteção ambiental e chegar até a região da Ponta da Tulha, a 20 quilômetros ao norte da cidade. Essa área de proteçào ambiental é um trecho de Mata Atlântica, das poucas que ainda existem no país.
A mineradora pretende construir um porto para exportar o ferro, num investimento de quase R$ 800 milhões.

Os riscos para o meio ambiente são altos e como a região é pobre a população está dividida.
A multinacional, formada por um grupo indiano e outro do Cazaquistão, já tem um relatório de impacto ambiental feito por empresa contratada, e é claro que todos os danos serão mitigados de acordo com relatório. Nesta fase do licenciamento ambiental aguarda-se o parecer do IBAMA!


Veja a matéria que foi veiculada no Fantástico do dia 25 de abril de 2010.

Fonte: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1579777-15605,00.html

Imagem da Ponta da Tulha - arquivo pessoal.

Vocês estão sentados? Notícia difícil de dar...


Eu demorei muito a conseguir escrever esse post e confesso que quando os jornais começam a divulguar essa notícia, eu mudo de canal, porque tem sido difícil encarar essa tragédia ambiental.

A plataforma pertencente à empresa suíça Transocean explodiu no dia 20 de abril no Golfo do México e afundou depois de ficar dois dias em chamas. Logo após a explosão da plataforma, desapareceram 11 trabalhadores que as autoridades dão por mortos.

O vazamento já atingiu a costa da Louisiana, e ameaça a exploração de peixes e camarões na região, assim como áreas pantanosas e a vida selvagem que lá vive, no que pode se tornar o pior desastre ambiental da história dos Estados Unidos.

O governo Obama colocou pressão sobre a petrolífera britânica BP, proprietária do poço que provocou o vazamento, e quer que a empresa faça mais para conter a saída de petróleo e a mancha de óleo que se espalha. E também anunciou o envio de 1,9 mil trabalhadores e 300 barcos e aviões para o local do acidente.

É muito duro encarar um fato como esse e pensar nos estragos que serão causados a inúmeras espécies marinhas.

Atualizações e mais detalhes sobre o caso podem ser acompanhados no site da Folha.