terça-feira, 10 de março de 2009

Na natureza selvagem


Algumas pessoas se sentem mais à vontade para ganhar o mundo, se libertar das amarras de uma vida trivial. Um relato da vida de uma carioca chamada Ana Carolina Tavares, publicado na Revista TPM, me deixou bastante impressionada e pensando nisso.


A Ana Carolina saiu de Ipanema para se tornar veterinária voluntária do programa de conservação animal African Conservation Experience, que escala veterinários do mundo para o trabalho voluntário de captura, monitoração e cuidado médico de elefantes, rinocerontes, búfalos, antílopes, leões, guepardos e leopardos.


Depois de uma temporada na África do Sul, capturando esses animais para implantar chips de monitoração ou aplicar coleiras com GPS, ela retornou ao Brasil para trabalhar em Fernando de Noronha, contratada por 30 dias como pesquisadora pelo projeto Golfinho Rotador, patrocinado pela Petrobras e executado pela ONG Centro Golfinho Rotador. Hoje ela monitora os mamíferos na baía dos Golfinhos e em outras áreas do arquipélago – considerado o maior aquário natural do mundo.


Gostei dessa história pois demonstra que ainda existem pessoas que fazem de sua história de vida uma história de amor ao meio ambiente.


Fonte: Adaptação de matéria do site da Revista TPM.

2 comentários:

Patricia Vilas Boas disse...

Bacana, Mariana! Realmente foi uma atitude corajosa. Fico pensando no pessoal dessas ONGs mundiais, como do Greenpeace que ficam na linha de frente na batalha entre a preservação do meio ambiente e o poder dos interesses econômicos. Esses até morrem pela causa ambiental... E precisam ser valorizados!!!

sam disse...

é uma visão beeem romântica. ótimo post marry.